CANÇÃO DA ARTILHARIA
Letra:
JORGE PINHEIRO
Música:
Christian Zaihn

 

Eu sou a poderosa Artilharia
Que na luta se impõe pela metralha,
A missão das outras armas auxilia,
E prepara o campo de batalha,
Com seus tiros de tempo e percussão,
As fileiras inimigas leva a morte e a confusão.

Se montada, sou par da Infantaria
Nos combates, nas marchas, na vitória!
A cavalo acompanho a cavalaria
Nos contatos, nas cargas e na glória
Com rajadas de fogo surpreender
As vanguardas inimigas e depois retroceder

Quer de costa, antiaérea ou de campanha ,
Eu domino no mar, no ar, na terra,
Quer no forte, no campo ou na montanha,
Vibra mais no canhão, a voz da guerra;
Da batalha sinistra a melodia
É mais alta na garganta da pesada Artilharia.

Se é mister um esforço derradeiro
E fazer do seu corpo uma trincheira,
Abraçado ao canhão morre o Artilheiro
Em defesa da Pátria e da Bandeira.
O mais alto valor de uma nação
Vibra n’alma do soldado,
Ruge n’alma do canhão.

Hurra!... Hurra!... Hurra!...